Programa de Assistência e gerenciamento para pecuária de Corte é apresentado a empresários rurais

De acordo o vice-presidente de finanças da Faesc, Antônio Marcos Pagani de Souza, a reunião buscou mobilizar os pecuarista e explicar como o programa ATeG funciona no Estado.

Em 18/07/2019 16:52
Atualizado em 18/07/2019 16:59

Notícia por Agência de Notícias Qbo Mais

Programa de Assistência e gerenciamento para pecuária de Corte é apresentado a empresários rurais

Na tarde desta quarta-feira (17), no auditório Celso Deon Lazzarotto, na sede administrativa do Sicoob Original, em torno de 40 pecuarista dos municípios de São Lourenço do Oeste, Novo Horizonte, Formosa do Sul e Quilombo participaram de um evento de apresentação do programa ATeG – Assistência Técnica e Gerencial – com foco na pecuária de corte. O evento foi organizado pelo Sindicato de Produtores Rurais de São Lourenço do Oeste e Novo Horizonte e teve a parceria da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e Sociedade Rural.

De acordo o vice-presidente de finanças da Faesc, Antônio Marcos Pagani de Souza, a reunião buscou mobilizar os pecuarista e explicar como o programa ATeG funciona no Estado. Na oportunidade os empresários rurais foram informados que, através do sindicato, a região será contemplada com a formação de turma para o programa. São 30 vagas. “São dois anos de ações sem custo para o produtor”, disse ele frisando que o objetivo é transformar o setor. “A pecuária de corte é tratada por muitos como paixão, mas nós queremos mudar isso para que ela seja encarrada como negócio”. Para isso, a ideia é fazer ajustes no manejo e inserir novas tecnologias no processo.

Souza afirma que com tecnologia, assistência técnica continuada e trabalho, a pecuária de corte é tão rentável quanto às outras cadeias produtivas do agronegócio – milho, soja, suínos e aves. Paralelo a isso, ele chama a atenção para a qualidade que essas mudanças podem gerar no produto final.

Para o presidente do Sindicato, Nelso Moresco, o programa vem para auxiliar o produtor e colaborar para que as decisões sejam tomadas na hora e de forma acertada. Segundo ele, o pecuarista precisa perceber a propriedade como uma empresa rural. “O sindicato, enquanto entidade representativa, está atento a essas questões e sabe que é preciso acompanhar as mudanças”, disse o presidente lembrando que hoje há muitas ferramentas a disposição para ter a propriedade e os negócios na mão.

Sobre a parceria, o presidente do sindicato lembra que são entidades que estão preocupadas com o agronegócio e estão dispostas a colaborar com o desenvolvimento sustentável da atividade. “O pecuarista precisa acreditar no programa e aproveitar a oportunidade”, orienta.

Programa

Quem aderir ao programa receberá a assistência técnica durante um período de dois anos com acompanhamento presencial e remoto. Em resumo, a intenção é que as propriedades que atuam na pecuária de corte sejam competitivas e gerem renda suficiente para garanti a perenidade do sistema. 

Embora o evento fosse para sensibilizar os pecuaristas sobre o programa, Moresco lembra que a maioria das propriedades já foi visitada. Agora, segundo o presidente, vai prevalecer o esforço e a vontade de cada um em participar e estar disposto à mudança.  “Cada propriedade é um laboratório”, avalia ele defendendo que é possível usar a tecnologia a favor e tornar a atividade sustentável.