Setor produtivo de Santa Catarina trata do controle e monitoramento da saúde animal

A reunião da Câmara da Agroindústria foi aberta com a palestra da professora titular sênior de Epidemiologia das Doenças Infecciosas da Universidade de São Paulo (USP), Masaio Mizuno Ishizuka, que trouxe um panorama das principais enfermidades da suinocultura mundial, suas particularidades e riscos de contágio.

Em 29/06/2019 14:27

Notícia por Agência de Notícias Qbo Mais

Setor produtivo de Santa Catarina trata do controle e monitoramento da saúde animal

O mundo está em alerta devido à ocorrência de doenças que podem colocar em risco a produção animal. Este foi o tema da reunião da Câmara de Desenvolvimento da Agroindústria da FIESC, nesta quinta-feira (27) em Florianópolis, com a participação de representantes da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Cidasc, Ministério da Agricultura e iniciativa privada. A intenção do encontro foi tratar das ações de controle e monitoramento de doenças como peste suína clássica, peste suína africana e febre aftosa.

 A reunião da Câmara da Agroindústria foi aberta com a palestra da professora titular sênior de Epidemiologia das Doenças Infecciosas da Universidade de São Paulo (USP), Masaio Mizuno Ishizuka, que trouxe um panorama das principais enfermidades da suinocultura mundial, suas particularidades e riscos de contágio. “Não existe risco zero, as doenças não respeitam limites de fronteiras. Nosso trabalho é raciocinar, utilizar as experiências do passado para resolver os problemas contemporâneos. Devemos trabalhar com dados, com medidas que impeçam a entrada de doenças e medidas de contingência”, ressaltou.

 A professora Masaio destacou ainda a excelência do trabalho de defesa agropecuária desenvolvido em Santa Catarina, segundo ela uma referência para outros estados. “Todos deveriam imitar Santa Catarina. Aqui os setores do agronegócio trabalham de forma alinhada e dividem as responsabilidades”.  Entre os pontos tratados na palestra, mereceram destaque os casos de peste suína clássica no Piauí e Ceará, além da situação na Ásia com os focos de peste suína africana – que, segundo relatório divulgado em junho pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), já levou à eliminação de 3,4 milhões de suínos em diversos países desse continente.

 Segundo o secretário de Estado da Agricultura, Ricardo de Gouvêa, a união de esforços entre o Governo do Estado, Governo Federal, produtores rurais e iniciativa privada é a chave para manutenção desse patrimônio. “Não se faz defesa agropecuária sozinho. Devemos somar esforços e trabalhar juntos para que Santa Catarina continue sendo uma referência no cuidado com a saúde animal e sanidade vegetal. Estamos atentos e mobilizados para evitar a entrada de qualquer doença em nossos rebanhos e lavouras, preservando também a saúde dos nossos produtores rurais e consumidores. Além da economia de todo o estado, já que o agronegócio responde por 30% do PIB catarinense”, destacou.

 Na oportunidade, a diretora técnica da Cidasc, Priscila Maciel, e os representantes Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Felipe da Costa Porto e Marcio Pinto Ferreira, apresentaram os planos de contingência de Santa Catarina e do país.

 Saúde animal em Santa Catarina

Santa Catarina é o único estado do Brasil reconhecido como área livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e, junto com o Rio Grande do Sul, é zona livre de peste suína clássica. O status sanitário diferenciado é um dos fatores que faz do estado um gigante do agronegócio, com acesso aos mercados mais exigentes do mundo, como Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.           

“A sanidade animal é uma riqueza e tem grande valor para Santa Catarina. Não podemos medir esforços para preservar essa condição e manter o protagonismo no agronegócio brasileiro”, afirmou o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, Mario Cezar de Aguiar.

 Manutenção do status sanitário

A Cidasc mantém 63 barreiras sanitárias fixas nas divisas com Paraná, Rio Grande do Sul e Argentina que controlam a entrada e a saída de animais e produtos agropecuários. Além do controle do trânsito de animais e produtos de origem animal nas fronteiras, em Santa Catarina todos os bovinos e bubalinos são identificados e rastreados.

 Já que é proibido o uso de vacina contra febre aftosa em todo o território catarinense, não é permitida a entrada de bovinos provenientes de outros estados. Para que os produtores tragam ovinos, caprinos e suínos criados fora de Santa Catarina é necessário que os animais passem por quarentena tanto na origem quanto no destino e que façam testes para a febre aftosa, exceto quando destinados a abatedouros sob inspeção para abate imediato.

 O Governo do Estado mantém ainda um sistema permanente de vigilância para demonstrar a ausência do vírus de febre aftosa em Santa Catarina. Continuamente, a Cidasc realiza inspeções clínicas e estudos sorológicos nos rebanhos, além de dispor de uma estrutura de alerta para a investigação de qualquer suspeita que venha a ser notificada pelos produtores ou por qualquer cidadão. A iniciativa privada também é uma grande parceira nesse processo, por meio do Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (Icasa).

 Fonte|Foto:MB Comunicação 

Quilombo Mais

Anuncie aqui!


Tags da postagem

Saúde animal em Santa Catarina Geral Masaio Mizuno Ishizuka Câmara da Agroindústria Santa Catarina SC 29 de junho de 2019