Banco Central deve restituir agricultor que teve parte do seguro negado

O destaque de hoje, é sobre o seguro agrícola.

Em 09/02/2020 19:52
Atualizado em 09/02/2020 20:01

Notícia por Luciana Zanco

Banco Central deve restituir agricultor que teve parte do seguro negado

Costumeiramente os agricultores e/ou produtores rurais realizam empréstimos agrícolas para custear a produção. Além de possibilitar a realização da plantação, o agricultor conta com o chamado seguro agrícola, no qual lhe dá uma garantia de não perder todo o recurso investido.

Porém, no caso abaixo, o agricultor precisou buscar a justiça  para ter o seu direito garantido. Veja:

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou no dia 29 de janeiro sentença que condenou o Banco Central do Brasil (Bacen) a pagar R$ 5.286,61 a um agricultor catarinense que teve parte de sua cobertura securitária negada. Ele fazia parte do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), que garante a exoneração de obrigações financeiras relativas à operação de crédito rural cuja liquidação seja dificultada pela ocorrência de fenômenos naturais que atinjam plantações.

O morador de São José do Cedro (SC) havia aderido ao Proagro em 2011. Ele adquiriu um empréstimo de R$ 89 mil junto ao banco cooperativo de seu município com o objetivo de custear os insumos e o plantio da safra de milho. Devido à estiagem que atingiu a região na época, o agricultor teve rendimentos escassos e acionou o programa de seguros visando a cobertura parcial dos danos materiais.

O Bacen pagou a percentagem mínima de 70% do seguro e liberou a quantia de R$ 38.976,53, sob o entendimento de que o produtor rural não fez prova material de que seu empreendimento estava enquadrado nas exigências do Proagro nos 36 meses anteriores a adesão. O banco ainda deduziu R$ 5.286,61 por suposta não utilização total dos insumos previstos. Os dois pagamentos foram questionados judicialmente pelo agricultor. O juízo da 1ª Vara Federal de São Miguel do Oeste julgou o pedido parcialmente procedente, entendendo ser correta a limitação da cobertura por parte do banco, mas avaliando como indevida a dedução realizada e determinando a restituição da quantia.

O Banco Central então apelou ao TRF4 alegando que o autor não teria demonstrado a aquisição e aplicação integral dos insumos previstos e requerendo o reconhecimento da dedução a título de insumos não empregados. A 4ª Turma do tribunal negou o recurso por unanimidade e manteve integralmente a decisão de primeira instância.

O relator do caso, desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Júnior, frisou em seu voto que o laudo pericial realizado por engenheiro agrônomo constatou que os insumos foram aplicados corretamente. “A planilha dos valores orçados e efetivamente utilizados no empreendimento conclui, ao final, a diferença apresentada pela parte autora nos autos. Logo, não se sustenta nenhuma dedução da base de cálculo como objetivou o apelante”, concluiu o magistrado.  Nº 5003503-34.2016.4.04.7210/TRF
                                                                                                                    Fonte: TRF4/Foto:Pixabay

Curtiu nossa coluna? Compartilhe! Esclarecimentos, e/ou sugestões de assuntos podem ser encaminhados para nosso contato de e-mail abaixo.

Dra. Luciana Zanco  

lucianazancoadv@gmail.com

 Resultado de imagem para facebook png pequeno

Publicidade


Tags da postagem

Seguro agricola TRF4 Justiça brasil proagro bacen local Advogada Luciana Zanco advogada em Quilombo Luciana Zanco Quilombo São José do Cedro (SC) 09 de fevereiro de 2020