Mistério: Ossada humana é encontrada queimada em cemitério de Chapecó

O crânio estava no lado de dentro do cemitério e o demais membros fora do local.

Em 07/02/2018 21:46
Atualizado em 07/02/2018 21:49

Notícia por Agência de Notícias Qbo Mais

Mistério: Ossada humana é encontrada queimada em cemitério de Chapecó

Um fato mais que estranho e misterioso aconteceu no Cemitério da Linha Tomazzeli, interior de Chapecó.

No final da tarde desta terça-feira (6), um pedreiro encontrou entre um túmulo, uma ossada humana que supostamente foi retirado de alguma sepultura ainda não identificada. A ossada estava dividia em duas partes e acredita-se que seja de uma mulher.

O crânio estava ao lado de um túmulo e havia sido queimado junto a outros materiais, que supostamente sejam de um caixão. Já os demais membros do corpo estavam no lado de fora do cemitério. De acordo com a zeladora do local, Lurdes Padilha, um homem estava reformando um túmulo no local, quando encontrou os ossos. “Foi o pedreiro quem achou aí ele me ligou, eu vim aqui e nós verificamos que era uma ossada humanada.

Foi ligado pra Polícia, eles vieram e zeram a parte deles, aí veio os peritos e viram que era uma ossada de uma mulher. Tinha o cabelo loiro. Mas eu sempre acompanho os enterro e ninguém tirou e jogou aqui isso”, contou Lurdes, que trabalha a oito anos cuidando do local. O pedreiro estava no local na manhã desta quarta-feira.

Segundo ele, era final da tarde quando ao guardar um carrinho de mão, percebeu o crânio. O corpo estava em adiantado estado de decomposição. Há hipótese de que estivesse no local a cerca de três meses. Investigação O delegado Vinicius Ritterbusch da Central de Plantão de Polícia (CPP), esteve no local acompanhando os levantamentos realizados pelo Instituto Geral de Perícias (IGP) e segundo ele, o Boletim de Ocorrência será encaminhado à 1ª Delegacia de Polícia Civil onde segue a investigação dos fatos.

Conforme o delegado Rodrigo Moura, da Divisão de Investigações Criminal (DIC), a princípio o caso é tratado como vilipêndio de cadáver. “O corpo já estava morto e foi retirado de alguma sepultura e colocado ali”, contou o delegado. A Polícia Civil juntamente com o IGP busca agora identificar de onde foi removido o cadáver, além da identidade da pessoa, pois não havia sinais de violação de túmulos no local.

Fonte: Clic RDC.


Tags da postagem

Chapecó 06 de fevereiro de 2018 Preservação Pessoal ossada humana cemitério